sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

A Filosofia política.(1)

A Filosofia Social e Política visa o estudo do comportamento do ser humano quando em contacto com a sociedade/comunidade, com o poder e com a política . Ao longo dos séculos foram vários os filósofos que o estudaram.

A Política é a arte de governar um estado ou uma região e sempre esteve relacionada com a religião. O antigo testamento refere-a como “as teocracias” - o poder de DEUS para governar o mundo.

Com o progressivo avanço da sociedade ao longo dos tempos, desde os primórdios até hoje, sempre existiu uma interessante relação entre a política e a religião. Diria mesmo que é essencial para a sobrevivência de ambas. Grandes e pequenos estadistas tudo fazem para serem recebidos pelo Papa e ostentam, sempre que a oportunidade o permite, a respectiva fotografia do cumprimento, em pose. Outros, os de menor categoria, mesmo proclamando-se de agnósticos ou ateus, tudo fazem para participar em celebrações religiosas mostrando-se o mais que podem.

Na política, o problema da autoridade, da sua legitimidade e do seu exercício, é também muito antigo. É mais antigo do que o problema do Estado. Para Aristóteles, buscar os fundamentos e os princípios do estado na origem do mundo, é o primeiro motor de busca que faz com que tudo se desencadeie.

A filosofia política e o seu exercício pode ser mais ou menos livre. Pode ser livre consoante o local em que se enquadra o filósofo. É criativa e lida com o Dever - Ser. Cria fontes de legitimação do poder e constrói teorias sob as quais o poder se deve fundamentar.

A Democracia pode falhar e nenhum dos seus sistemas é perfeito. Em democracia os partidos políticos devem reconhecer que a sua mensagem não é absolutamente correcta, sobretudo os que detêm o poder durante muito tempo. Não o reconhecendo nem aceitando alternativas a democracia assemelha-se ao totalitarismo.

A legitimidade dos governantes para exercer funções e tomar decisões, quer no campo executivo como no campo legislativo, é-lhes atribuída pelos cidadãos eleitores. Legitimidade que deixa de o ser quando se falta à verdade e não se cumpre o prometido.

A política não é uma actividade pura e simples. Está comprometida com a Filosofia – ter por base o amor ao saber, o saber racional. A constante procura do verdadeiro saber.

Fazer filosofia Política é apresentar alternativas. O seu exercício é tolerado e até querido.


Cláudio Almeida
25 de Outubro de 2006

Marcadores:

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial